Busca  
  Física   
Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias.  

Movimentos de corpos celestes

Para estudar o movimento dos astros, é possível fazer uma analogia com o que ocorre quando fazemos girar verticalmente um corpo preso a uma corda. Se o girarmos muito devagar, quando ele atingir o ponto mais alto cairá devido a seu peso. Se o girarmos muito depressa, a corda se romperá e o corpo será arremessado.
Para que ele gire mantendo uma órbita fixa, é preciso que exista uma força que o mantenha nessa órbita.

No Universo, os planetas, satélites, estrelas e outros corpos experimentam grandes forças de atração entre si em virtude do elevado valor de sua massa.
 
Se existissem apenas estas forças, os diferentes corpos acabariam se chocando. No entanto, esses corpos têm um movimento perfeitamente ordenado. Nos corpos que orbitam em torno de uma estrela, as forças de atração determinam trajetórias precisas e conhecidas. Considerando isso tudo, vamos explicar alguns fenômenos que ocorrem em função das forças gravitacionais e do movimento dos corpos celestes.
 
As estações
 
A Terra demora um ano para dar uma volta ao redor do Sol e descreve uma órbita elíptica.

O eixo da Terra mantém uma certa inclinação em relação ao Sol, e é isso que determina as estações.
 
Ao contrário do que muitos pensam, o verão ou o inverno não chegam quando a Terra está mais próxima ou mais longe do Sol, e sim quando a inclinação de seu eixo acarreta a incidência mais concentrada da energia solar em um hemisfério. Quando a posição da Terra em seu movimento corresponde a uma inclinação do eixo para dentro de sua órbita, é inverno no Hemisfério Sul. Quando o eixo está inclinado para fora, é verão.

 
O fenômeno das marés

A Lua exerce uma força de atração sobre a Terra. A parte líquida da Terra, especialmente os oceanos, precisa variar de forma para compensar essa força. Na face voltada para a Lua, a água se eleva alguns metros acima do nível médio. Na face oposta à Lua, o nível recua alguns metros.

A força de atração que a Lua exerce sobre a Terra faz a superfície do oceano se esticar. Um de seus extremos se aproxima da Lua e o outro se afasta. Quando a água alcança a altura máxima, diz-se que há maré alta, ou preamar, e quando se encontra no nível mínimo, fala-se de maré baixa, ou baixa-mar.


Esses fenômenos repetem-se uma ou duas vezes por dia. O Sol também influi nas marés, mas, como se encontra mais longe da Terra do que a Lua, sua ação é menor. Somente quando o Sol, a Lua e a Terra estão alinhados no espaço, o aumento do nível das marés é muito maior. Durante os quartos crescente e minguante, o Sol forma um ângulo reto com a Lua, e as marés são menos pronunciadas do que o normal: são as marés mortas, ou de quadratura.


Anterior Início Próxima