Busca  
  Física   
Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias.  

Aceleração

Nos movimentos mais comuns ocorrem variações de velocidade.
Para entender como se calcula a aceleração, vamos supor que estamos fazendo uma determinada viagem de trem munidos de um cronômetro e de um bloco de notas, que será preenchido como o do exemplo à direita. Quando a velocidade chegar a 10 m/s, acionaremos o cronômetro; chamaremos essa velocidade de inicial (v0). Vamos controlar a velocidade do trem a cada 4 segundos (primeira coluna) e marcar ao lado a velocidade atingida nesse tempo. Agora poderemos anotar, na terceira coluna, a variação da velocidade, calculando a diferença entre cada velocidade e a velocidade inicial. No final, anotaremos o valor do quociente entre a variação da velocidade da coluna 3 e o tempo decorrido. A aceleração é definida como o quociente entre a variação da velocidade de um móvel e o tempo transcorrido em tal mudança:


t    
v         
vo         
v - vo-
0
10100
-
4           
15         
10      
5         
1,25      
82010
10
1,25
122510
15
1,25
163010
20
1,25
203510
25
1,25

Representado esta tabela matematicamente, temos:

a = 
v - vo  ou ainda
 a =  Δv
t
Δt


aaceleração
vvelocidade final
vovelocidade inicial
Δvvariação da velocidade
ttempo
Δtvariação do tempo

 

As unidades para medir a aceleração serão as unidades de velocidade divididas por unidades de tempo. No SI, obtém-se o m/s². Não devemos confundir velocidade com aceleração, pois são dois conceitos distintos. Acelerar não significa ir muito depressa, e sim mudar de velocidade. Para que um corpo desacelere, é necessário que sua velocidade e sua aceleração tenham sinais opostos. Se traçarmos o gráfico aceleração versus tempo do movimento de um trem, no eixo das abscissas colocaremos os valores do tempo, e no das ordenadas, os da aceleração, como no gráfico à direita. Obteremos uma reta paralela ao eixo das abscissas.
 


Anterior Início Próxima