Busca  
  História regional   
Ciências Humanas e suas Tecnologias.  

Militares, comerciantes e missionários

Os principais responsáveis pela incorporação da Amazônia ao império colonial português foram os militares, os comerciantes e os missionários. Nesse processo, ocorrido ao longo dos séculos XVI e XVII, cada um deles desempenhou um papel diferente:

• Os militares construíram fortificações em pontos estratégicos, para impedir a invasão do território.

• Os comerciantes colhiam e mandavam para a Europa os produtos naturais, chamados 'drogas do Sertão' (cacau, baunilha, salsaparrilha, castanha e etc.).

• Os missionários, interessados em catequizar os índios, fundaram dezenas de missões na floresta.

O trabalho indígena


Assim como os escravos africanos foram fundamentais para a economia açucareira do Nordeste, na Amazônia esse papel foi desempenhado pelos índios. Eles trabalhavam como remadores, guias, caçadores, pescadores e aliados militares. A disputa por sua mão de obra gerou conflitos entre colonos e padres, favoráveis à sua liberdade. As leis coloniais protegiam os indígenas, mas nunca saíram do papel.

Índios da Amazônia, em 1865: uma cultura surpreendente para o homem branco.

A convivência com os brancos assinalou o início do extermínio dos indígenas. Milhares morreram contaminados pelas doenças trazidas pelos europeus e vítimas da violência do colonizador.


A aculturação nas missões

Os índios das missões religiosas vinham de diferentes tribos, cada uma com língua e costumes próprios. Nas missões, eram obrigados a aprender ofícios, o idioma geral (o tupi), o catecismo, a abandonar a crença em seus deuses, as armas e a se tornar pacíficos e submissos.
 
No contato com culturas diferentes, os índios acabavam perdendo seus valores. Os missionários procuravam moldá-los de acordo com os interesses do Estado português e da doutrina católica.




Anterior Início Próxima