Busca  
  Economia   
Ciências Humanas e suas Tecnologias.  

Do fim da escravidão para os navios de imigrantes

Os movimentos de imigração (entrar em um país ou território estrangeiro para nele viver) são constantes na história da humanidade. Após a Abolição da Escravidão no Brasil (1888), uma grande leva de homens e mulheres imigrantes desembarcou no País, atraídos pela promessa de trabalho e uma vida melhor.

A escravidão em si é uma espécie de regime social em que há submissão de algumas pessoas para que exista o lucro dos senhores de escravos – ou seja, o escravo era obrigado a trabalhar em condições sub-humanas para que o negócio do senhor pudesse prosperar, pudesse dar lucro, enquanto ele só teria o direito de trabalhar e trabalhar.



No final do século XIX, os grandes proprietários de terra (latifundiários) precisavam encontrar uma maneira de substituir a mão de obra escrava que trabalhava em suas plantações.

Isso aconteceu porque desde a metade do século XIX várias leis foram, de certa forma, enfraquecendo o sistema escravocrata, como a lei Eusébio de Queirós, em 1850, que proibia o tráfico de escravos; a lei do Ventre Livre, em 1871, que declarava que todos os filhos de escravos seriam livres; a lei dos sexagenários, em 1885, que declarava livre todo escravo com mais de sessenta anos; e por fim a lei Áurea, assinada pela princesa Isabel em 1888, que de fato acabou com a escravidão.

Todas essas leis foram importantes, porém, é necessário lembrar que não foram de fato boas para os escravos porque, por exemplo, um filho de escravo mesmo nascendo livre era dependente da mãe até a vida adulta e, sendo a mãe uma escrava, essa criança acabava passando boa parte de sua vida sob o mesmo regime que ela.

Sobre a lei dos sexagenários, poucos escravos conseguiam viver por muitos anos, por isso ao completar sessenta anos e conseguir sua liberdade, muitos não tinham para onde ir,  continuando no mesmo local e fazendo as mesmas coisas.

Com o fim do regime escravocrata, era necessário substituir o trabalho escravo por algum outro, pois os grandes fazendeiros não poderiam ter perjuízo em seus negócios.

Leia mais sobre a abolição da escravatura, bem como o texto integral da Lei Áurea.

Assim, o governo brasileiro organizou uma campanha para 'vender' a ideia aos povos europeus de que vir ao Brasil para trabalhar no campo, principalmente nas lavouras de café, seria um ótimo negócio. O governo incentivava a imigração subsidiando (pagando) a passagem marítima e o transporte do grupo familiar até as fazendas de café.

A campanha foi bastante eficaz e, entre o final do século XIX e início do XX, navios e mais navios repletos de imigrantes de várias partes da Europa (Itália, Espanha, Portugal e Alemanha) e, posteriormente, da Ásia (principalmente do Japão) trouxeram para o lado de cá do Oceano Atlântico milhões de homens e mulheres em busca de melhores condições de vida.

Imigrantes japoneses - 1930
        




Anterior Início Próxima