Busca  
  Era Contemporânea   
Ciências Humanas e suas Tecnologias.  

Nem pró, nem contra

Desde o começo da guerra, o Brasil manteve uma posição neutra em relação aos países em guerra na Europa. Com isso, mantinha comércio tanto com os EUA (24,2% do total das importações) quanto com a Alemanha (25%). A empresa aérea alemã Condor (subsidiária da Lufthansa) detinha o controle das linhas internacionais brasileiras e o governo de Vargas fingia não ver as manobras marítimas de submarinos alemães no litoral sul. O ministério estava dividido: Oswald Aranha (Relações Exteriores) era favorável aos EUA, enquanto Góis Monteiro (Guerra) e Francisco Campos (Justiça) eram pró-Alemanha. Isso sem contar figuras menores do governo, que também não chegavam a um consenso.



Anterior Início Próxima