Busca  
  Idade Moderna   
Ciências Humanas e suas Tecnologias.  

A imprensa

As ideias humanistas e toda a cultura do Renascimento tiveram uma notável expansão graças à invenção da imprensa. Durante a Idade Média, os livros eram copiados à mão sobre pergaminho e destinavam-se apenas aos eruditos. A cultura, no período medieval, tratou-se de um fator de distinção social. Somente quando ocorreu o desenvolvimento da imprensa foi possível produzir muitos exemplares da mesma obra, atingindo assim um número muito maior de leitores.

Gutenberg

Johannes Gensfleich, chamado Gutenberg, nasceu em Mainz, Alemanha, em 1400. Gutenberg não inventou a imprensa, mas sim a tipografia com tipos móveis. Seu ofício de ourives lhe serviu para gravar as letras em relevo, sobre uma base de metal; a partir daí, obteve o molde de cada letra. Em sua obstinação de inventar uma escrita artificial com a ajuda de uma máquina, contraiu muitas dívidas. Seu material tipográfico foi confiscado por seu sócio Fust, que assinou os primeiros livros impressos. A data da sua morte nunca foi determinada.


O funcionamento da imprensa

Passe o mouse sobre os números.
Gisele Toledo




A revolução dos livros

Aldo Manúcio foi um dos grandes responsáveis pela revolução dos livros, pois foi ele o autor de duas grandes inovações que ampliaram os hábitos de leitura: a letra itálica, clara e aberta, se comparada ao estilo gótico utilizado anteriormente, e um tamanho menor para os livros (modelo in octavo). Além disso, Aldo Manúncio foi o responsável pela utilização de cartões para fazer as capas dos livros; com isso, retirou as madeiras, ocasionando assim a diminuição do peso e do preço dos livros.

Ademais, vale-se ressaltar que Aldo Manúncio foi um humanista, fundou a Aldi Neacademia,  na qual ele e um grupo de humanistas discutiam diversas obras clássicas e dessas reuniões saía a seleção de obras a serem impressas.

No final do século XV, calcula-se que havia na Europa cerca de 28,5 mil livros impressos e pelo menos duas bibliotecas públicas, ambas na Itália: a de São Marcos, em Florença, e a Biblioteca Marciana, em Veneza.


Anterior Início Próxima