Busca  
  Idade Moderna   
Ciências Humanas e suas Tecnologias.  

Grandes nomes

Erasmo de Roterdã (1466-1536)

Georgios Kollidas/Shutterstock
Erasmo de Roterdã
Desidério Erasmo, conhecido como Erasmo de Roterdã, foi o mais destacado humanista do Norte europeu. Depois de estudar em Paris e Bolonha, passou a lecionar língua grega na Universidade de Oxford. Foi um incansável viajante, tendo percorrido as principais universidades da Europa. Como intelectual, ironizou tanto o dogma católico como o protestante (criticou publicamente Lutero). Entre suas obras, escritas em latim, destaca-se o livro Elogio da loucura (1509), que defendia a tolerância e a liberdade de pensamento, além de denunciar algumas ações da Igreja e a imoralidade do clero. Elaborou, também, uma edição do Novo Testamento baseada nas versões grega e latina. Morreu em Basileia, Suíça, em 1536.

Leonardo da Vinci

Elena Korn/Shutterstock
Estátua de Leonardo Da Vinci em Florença, Itália
Leonardo nasceu em 1452, na cidade toscana de Vinci. Destacou-se como inventor, engenheiro, matemático e pintor. Aos 15 anos já se iniciara na pintura. Em 1482, em Milão, iniciou um período de grande criatividade. Ao longo de sua vida, realizou uma grande produção artística, sendo suas obras mais famosas a Gioconda (Mona Lisa), Virgem das Rochas, e o mural Última Ceia (Santa Ceia). Escreveu também milhares de apontamentos científicos, profusamente ilustrados, sobre anatomia, botânica, geofísica, aeronáutica e hidrologia, além de tratados de pintura, arquitetura e mecânica. Em 1502, trabalhou como arquiteto militar e engenheiro para Ludovico Sforza. Morreu em 1519. Leonardo era canhoto e escrevia da direita para a esquerda, de modo que para ler suas anotações é preciso utilizar um espelho. Foi denominado "gênio universal".

Maquiavel

Renata Sedmakova/Shutterstock
Estátua de Maquiavel em Florença, Itália. Ainda hoje, por sua obra o Príncipe, é considerado o pai da ciência Política
Nicolau Maquiavel nasceu em Florença, em 1469. Foi um dos mais destacados teóricos do Absolutismo, afirmando que o governante deveria sempre agir à margem da moral. Aos 29 anos, foi nomeado secretário da segunda chancelaria de Florença e depois primeiro magistrado dessa cidade. Nesse período, criou uma milícia e organizou uma administração baseada em distritos. Com as derrotas militares de Florença, perdeu o emprego. Em 1513, foi preso, acusado de conspiração. Na prisão, escreveu a obra O Príncipe, na qual afirma que o governante ideal deve organizar um poder absoluto que elimine a corrupção e as lutas internas do Estado. Para isso, recomendava qualquer procedimento, incluindo a mentira e a violência. Maquiavel morreu em 1527.

Michelangelo

Georgios Kollidas/Shutterstock
Michelangelo Buonarroti
Michelangelo Buonarroti nasceu em Caprese, Itália, em 1475. Por sorte teve uma longa vida, numa época em que a cultura renascentista ia adquirindo novas e complexas nuanças. Em Florença, trabalhou nos jardins de Lorenzo de Médici, onde começou a amar a arte clássica e conheceu a obra de Donatello. Em sua primeira estadia em Roma, realizou as esculturas Baco e Pietá, as mais clássicas de sua obra geral. Em 1501, voltou a Florença para esculpir Davi. Após vários enfrentamentos com o papa Júlio II, regressou a Roma em 1508 para pintar a Capela Sistina. Anos mais tarde, projetou os planos de defesa de Florença frente às tropas de Carlos V. Em 1534, instalou-se definitivamente em Roma, onde completou a capela Sistina e projetou a cúpula da Basílica de São Pedro. Morreu em Roma aos 89 anos.

O humanismo renascentista de Michelangelo é evidente em suas múltiplas facetas: arquiteto, pintor, escultor e escritor. Seu impressionante legado é revelado em obras imortais como a cúpula da Basílica de São Pedro de Roma, os afrescos da Capela Sistina e as esculturas de Moisés, Davi e Pietá.

Para lembrar:

O Davi foi esculpido num bloco de mármore que fora danificado. Tem mais de quatro metros de altura e representa Davi pronto para lutar contra Golias, numa atitude segura e vitoriosa, confiando em suas qualidades e valores de ser humano, segundo a concepção renascentista do homem. A escultura não é perfeita em suas proporções. O formoso perfil do rosto é único em seu gênero.


Anterior Início Próxima