Busca  
  Sociedade   
Ciências Humanas e suas Tecnologias.  

Mistura de raças

Os nativos do Brasil

Índios Caiapós
Os índios somavam entre 1 e 10 milhões de habitantes quando aqui chegou a esquadra de Pedro Álvares Cabral. Sofreram perseguições, escravidão e violências. Resistiram e lutaram. Algumas tribos desapareceram, milhares morreram.

Outras tribos encontraram maneiras de conviver com os europeus que se tornavam brasileiros. Misturaram as culturas para sobreviver e manter sua identidade indígena.

Hoje, no Brasil, vivem cerca de 460 mil índios, distribuídos entre 225 sociedades indígenas, que totalizam cerca de 0,25% da população brasileira.

Este dado populacional considera somente aqueles indígenas que vivem em aldeias, havendo estimativas de que, além destes, há entre 100 e 190 mil vivendo fora das terras indígenas, inclusive em áreas urbanas.

Há também 63 referências de índios ainda não contatados, além de existirem grupos que estão requerendo o reconhecimento de sua condição indígena junto ao órgão federal indigenista (Funai).

Para entender a condição do índio em 500 anos de colonização, seus costumes e valores, clique aqui.

A nação negra em terras tupiniquins

As várias faces do Brasil
A escravidão foi um fenômeno presente em diversas épocas e sociedades ao longo da história da humanidade. Na África Negra, a escravidão como fenômeno de grande escala surgiu no século XVI, resultado da necessidade de mão de obra na América.

O impacto do escravagismo mudou a vida dos africanos, uma vez que as próprias tribos lutavam entre si para capturar prisioneiros e vendê-los aos traficantes europeus, cujo destino principal era a América.

Trazidos de navio, atravessavam o Atlântico em péssimas condições. Muitos morriam na travessia. As consequências demográficas da escravidão foram desastrosas.

Ainda não se tem um consenso sobre a data de início do embarque de africanos para o Brasil, que gira em torno de 1531 e 1548. De qualquer forma, a importação de negros atingiria alguma magnitude na medida em que se expandisse bastante a cultura canavieira, na segunda metade do século XVI.

Após quatro séculos de escravidão, foi assinada, em 1888, a Lei Áurea, que abolia a escravidão no Brasil. Muito comemorada na época pela população beneficiada, hoje ela é vista por membros do Movimento Negro no Brasil apenas uma conquista jurídica, uma vez que socialmente os negros permaneceram marginalizados na sociedade e até hoje lutam contra o preconceito.


Os exploradores do oceano

Os primeiros europeus a aportar no Brasil foram os portugueses. A política do rei D. João, favorável à expansão marítima lusa explica o pioneirismo de Portugal nas navegações.

Quando a esquadra de Pedro Álvares Cabral aportou no litoral baiano, em 1500, havia no Brasil cerca de 2 milhões de índios, quase o dobro da população de Portugal na época.

A existência de pau-brasil na Mata Atlântica, ao longo do litoral brasileiro, fez com que outras nações europeias também se dirigissem ao Brasil para explorar sua madeira. Entre 1500 e 1530, eram comuns, além dos navios portugueses, embarcações espanholas e francesas realizando o escambo com os índios.

Cada navio que chegava deixava grande número de europeus. Eles integraram-se às tribos e muitos casaram-se com as índias, que geraram os primeiros brasileiros.

Em um violento processo de imposição da cultura europeia cristã. Primeiro os portugueses disseminaram a tradição católica. Como disse um líder indígena do terceiro mundo: "Quando os europeus chegaram, nós tínhamos as terras e eles a Bíblia. Logo depois, nós ficamos com a Bíblia e eles com as terras".

Depois foi oficializada a língua portuguesa como o idioma nacional, deixando a marca mais profunda da colonização em terras brasileiras.

Entenda a colonização portuguesa pela língua nacional


 



Anterior Início Próxima