Busca  
  Ciências Naturais   
Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias.  

Afinal, o que é lixo?

Thinkstockphotos
Lixo disposto a céu aberto atrai animais e doenças


Tem na minha casa, no shopping, na escola, na rua e em todos os lugares. Algumas pessoas jogam nos lugares certos, outras não se importam tanto com isso.

Lixo é algo universal
: todos produzem, sejam ricos, sejam pobres.

A palavra ‘lixo’ vem do latim e significa cinzas. O lixo, na verdade, é qualquer resíduo que resulta de alguma atividade do homem, podendo ser sólido, líquido ou até mesmo gasoso. Definimos que lixo é tudo aquilo que não tem mais utilidade, que ninguém mais irá usar, e por isso é jogado fora. Porém você já parou pra pensar se tudo o que você joga fora é lixo mesmo? Ou será que ainda pode ser aproveitado?

Devido ao crescimento da reciclagem no Brasil, a definição de que o lixo é algo não aproveitável não é mais aceita.

O lixo descartado pelo proprietário pode passar por processos de triagens, em que parte dele é direcionada para a reciclagem ou reaproveitamento, e a outra é excluída de fato. Esta parte é chamada de rejeito e pode ser disposta em lixões, aterros sanitários ou aterros controlados.

Lixão

O famoso lixão é o jeito mais primitivo de estocar o lixo. Os rejeitos são dispostos a céu aberto e sem nenhum tratamento prévio do solo. O chorume, líquido produzido a partir dos rejeitos descartados, penetra no solo o contaminando e atingindo os lençóis freáticos.

O lixo disposto dessa forma atrai animais (urubus, ratos, vermes, moscas) que, inclusive, podem ser vetores de doenças. Infelizmente, no Brasil ainda existem muitos lixões, onde pessoas, além de ficarem em contato com os problemas trazidos pelo lixo, acabam frequentando esses locais para tentarem achar resíduos aproveitáveis.

Assista ao documentário Ilha das Flores, que trata sobre a questão social dos lixões.


Aterro controlado

Aterros controlados são intermediários entre os lixões e os aterros sanitários.

Os aterros controlados normalmente são áreas que anteriormente eram lixões, porém hoje foram cobertos com terra e/ou grama para que o odor fosse minimizado e, assim, animais e vetores de doença não fossem atraídos.

Mas, mesmo não dispondo o lixo a céu aberto, os aterros controlados não possuem tratamento do solo e, portanto, o problema da contaminação do solo e das águas persiste.

Aterro sanitário

Os aterros sanitários tentam minimizar o problema dos lixos diminuindo ao máximo possível o volume do lixo descartado, compactando-o.

Nos aterros, os rejeitos não ficam dispostos a céu aberto, uma camada de terra é colocada por cima dos descartes. Com essa cobertura, o lixo emite menor odor, atraindo menos animais.

O solo deve ser tratado com algum material que o impermeabilize (argila ou manta de PVC) antes da deposição dos resíduos.

Isso evita que o chorume contamine o solo e as águas. Esses aterros devem sempre ser construídos com, no mínimo, 100 metros de distância de residências e cursos d’água.

O chorume produzido pelo lixo é coletado por canos e passado por um sistema de tratamento antes de seu descarte.



Anterior Início Próxima