Busca  
  Arte   
Linguagens, Códigos e suas Tecnologias.  

Fotografia contemporânea

A fotografia na arte contemporânea é usada de diversas maneiras, como registro, suporte ou obra de arte.

Para performances e happenings, que são linguagens efêmeras, a fotografia na maioria das vezes é usadas como registro. O graffiti também usa a fotografia dessa maneira, pois muitas vezes está inserido no espaço urbano. É importante que trabalhos como esses tenham essa documentação, para expor e serem apresentados posteriormente. Em São Paulo, por exemplo, a Lei Cidade Limpa, que foi instituída pelo prefeito Gilberto Kassab, apagou grafites de importantes artistas na cidade.

A arte urbana vem utilizando cada vez mais a fotografia. O artista, como forma de expor sua arte para um maior número de pessoas, cria obras para o espaço urbano. Uma maneira de utilizar a fotografia como suporte dessa intervenção na cidade é por meio de lambe-lambe: artistas utilizam fotos impressas, que são coladas com uma mistura de cola branca e água com a ajuda de um pincel ou rolinho. É o caso da série Giganto, da artista Rachel Brust.

  

Alguns artistas, como o brasileiro Nino Cais, utilizam a própria linguagem da fotografia para criar suas obras. Criam cenas e instalações que serão registradas com a câmera, dando origem as suas obras.

  
Muitos usam recursos de manipulação de imagem e programas de computador que possibilitam intervir em fotografias de maneira digital, facilitando alguns processos de montagem. Antigamente, para esse tipo de edição com fotos era necessário montar uma cena, fotografar e recortar essas fotos, criando uma nova cena que também seria fotografada. Com os programas digitais esse tipo de montagem ficou mais fácil de ser produzida.

A fotografia está em ascensão: por conta da massificação da linguagem, o acesso à fotografia hoje é bem maior. Grande parte da população tem acesso a câmeras fotográficas e dispõem de redes sociais como Flickr, Facebook e Instagram. O número de fotógrafos em galerias também está aumentando. Com esse fácil acesso à fotografia, cada vez mais gente se interessa pela linguagem e acaba se aperfeiçoando, aumentando também o número de fotógrafos participando de exposições importantes.  Além disso, novas galerias especializadas em fotografia estão surgindo no mercado, como a galeria f 2.8 e a Galeria Ímã, em São Paulo.


Anterior Início