Busca  
  Ciências Naturais   
Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias.  

Digestão dentro e fora da célula

iStockphoto/Thinkstock
Aparelho digestório humano com vesícula biliar em destaque (verde)
Existem dois tipos de digestão: o que acontece fora das células (extracelular) e o que ocorre dentro delas (intracelular). Com exceção das esponjas, todos os animais possuem pelo menos uma etapa de digestão extracelular. A digestão fora das células ocorre com a ajuda de enzimas e outros microrganismos. Já a digestão intracelular é realizada principalmente por uma organela especial, o lisossomo.

Menos frequente, também existe a digestão extracorpórea, que é quando o alimento é digerido fora do corpo do ser vivo. Alguns fungos apresentam esse tipo e digestão e também algumas aranhas, que injetam enzimas junto com o veneno em sua presa e esperam que ela fique parcialmente digerida para sua ingestão.

Intestino e excreção

Depois do estômago a comida, que agora é um bolo alimentar, vai para o intestino. É no intestino que ocorre o resto da digestão e também a absorção dos nutrientes da comida. Os humanos possuem o intestino dividido em duas partes: delgado e grosso. O intestino é a parte final do tubo digestivo, que irá acabar no ânus. Os humanos possuem uma pequena porção depois do intestino e antes do ânus chamada reto, que acumula os restos dos alimentos digeridos não aproveitados pelo organismo antes de ser descartado. Esses restos, ao chegar no reto, são classificados como ‘bolo fecal’. A digestão final feita pelo intestino é possível pela presença das enzimas que, em alguns animais, são liberadas por glândulas anexas ao tubo digestivo.

Nos vertebrados, inclusive os seres humanos, essas glândulas são o fígado e o pâncreas, que lançam substâncias com enzimas no intestino para digerir os alimentos. Já os moluscos e os artrópodes possuem só uma glândula que também tem a mesma função, o hepatopâncreas.

Existe nos humanos um órgão chamado vesícula biliar, situado próximo ao fígado. Essa vesícula produz a bile, líquido que auxilia na digestão das gorduras, porém não possui enzimas.


Além da absorção dos nutrientes, no intestino também ocorre a absorção da água que existe no bolo fecal. Quando nesse bolo todos os nutrientes aproveitáveis já foram retirados e o excesso de água também, ele se torna nossas fezes, que saem pelo ânus.

Nosso intestino possui bactérias que auxiliam na nossa digestão. Parte dessas bactérias é eliminada junto com as nossas fezes, e é a ação delas que causa seu mau cheiro.


Nos humanos, o tubo digestivo termina no ânus e esta saída é independente de outros sistemas do corpo. Já nos anfíbios, répteis e aves, o sistema reprodutor e o sistema urinário saem pelo mesmo orifício do tubo digestivo: a cloaca.

O sistema digestório e o próprio processo de digestão variam entre os seres vivos. De acordo com seus hábitos alimentares, as espécies possuem adaptações diferentes. Isso faz com que alguns animais tenham enzimas diferentes e órgãos diferentes uns dos outros.


Anterior Início