Busca  
  Arte   
Linguagens, Códigos e suas Tecnologias.  

HQs no Brasil

No Brasil, as histórias em quadrinhos se popularizaram na década de 1930. Existiam duas revistas que traziam HQs completas do Super Homem, The Spirit e Tocha Humana: a Globo Juvenil e a Gibi.

A segunda ficou tão famosa e fez tanto sucesso que no Brasil qualquer revista de quadrinhos passou a ser chamada de gibi (e é até hoje).

Um dos maiores nomes do quadrinho brasileiro é Maurício de Souza. Em 1959 criou histórias de um cachorro, Bidu, e seu dono, Franjinha. O jornal A Folha de S.Paulo publicava suas tirinhas. Depois criou outros personagens que fariam sucesso. Mônica, Cascão, Magali, Cebolinha e Chico Bento ganharam suas próprias revistinhas entre 1970 e 1972.

Nas décadas de 1980 e 1990 surgiram grandes nomes dos quadrinhos. Lourenço Mutarelli criava quadrinhos underground, histórias baseadas em pessoas que conhecia e que traziam temas como solidão e morte. Em 1999 lançou O dobro de cinco, o primeiro quadrinho de uma trilogia sobre um detetive chamado Diomedes.

Cia das Letras
Capa da trilogia de quadrinhos sobre o detetive Diomedes, de Lourenço Mutarelli

Angeli, Glauco e Laerte também são grandes quadrinistas brasileiros. Juntos criaram a HQ Los 3 Amigos, na qual eram “bandidos, bandoleiros, baderneiros e matadores”. Cada um também tem uma grande produção individual. Angeli tem personagens como Rê Bordosa e Luke e Tantra. Glauco tem em sua lista Geraldão e Casal Neura. Já Laerte criou, entre todos seus personagens, Piratas do Tietê e Hugo.

Hoje, artistas da nova geração dos quadrinhos fazem sucesso e atingem cada vez mais públicos. Com a internet e as redes sociais, os artistas conseguem publicar e divulgar suas HQs, desenhos e tirinhas para um número considerável de pessoas. Artistas como Fábio Moon e Gabriel Bá, Rafael Coutinho, Rafael Grampá, Marcelo e Magno Costa são nomes importantes dos quadrinhos atuais.
No Brasil, o mercado dos quadrinhos está crescendo e ganhando cada vez mais espaço. Não que seja fácil viver só da produção e venda de HQs, mas está existindo um reconhecimento maior dos artistas e de suas obras.




Anterior Início Próxima