Busca  
  Ciências Naturais   
Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias.  

Alimentação

 
Ao observarmos as várias espécies de aves, notamos diferentes adaptações nos bicos e pés. O tamanho e a forma do bico variam de acordo com o tipo de alimentação:


Os beija-flores possuem bico fino e comprido para coletar o néctar no interior das flores.




 
Papagaios e araras usam o bico forte e curvo para quebrar os coquinhos e sementes dos quais se alimentam.



As garças
, excelentes pescadoras, têm bico comprido e pontiagudo, que funciona quase como um arpão quando a ave mergulha na água. As patas compridas facilitam seu deslocamento em águas rasas onde pescam.




• Os gaviões, falcões e águias, que se alimentam de carne, têm bico curvo, pontiagudo e extremamente afiado, para dilacerar a presa. Seus pés, com possantes garras, conseguem agarrar e segurar firmemente suas presas, mesmo em pleno ar.

• As galinhas-d'água e saracuras possuem pés ainda mais compridos, para caminhar sobre as folhas de plantas aquáticas.



Os pés dos pica-paus, por sua vez, permitem que eles se agarrem e se apoiem em troncos completamente verticais.
 






Fique ligado!
Sempre que o predador se torna mais eficaz na captura da presa – desenvolvendo por seleção natural, ao longo das gerações, patas que permitam correr mais ou uma mandíbula capaz de uma mordida mais poderosa –, a presa também acaba desenvolvendo pelo mesmo processo de seleção dos mais bem adaptados, meios mais eficientes para a fuga. No caso de um predador que desenvolve meios mais eficientes para localizar a presa no meio da folhagem, tem-se correspondentemente a presa tornando-se ainda mais semelhante ao ambiente em que vive, aumentando assim a proteção de sua camuflagem. Esse processo em que presa e predador desenvolvem adaptações cada vez mais eficientes ocorre lentamente, ao longo de milhões de anos, sempre graças à sobrevivência dos indivíduos mais bem adaptados àquele meio e àquela circunstância.


Anterior Início Próxima