Busca  
  Arte   
Linguagens, Códigos e suas Tecnologias.  

Curiosidades

Você sabia?
O termo papel machê deriva do francês papier mâché, que designa o papel mascado, mastigado. Por isso, para usar esse recurso, é preciso, inicialmente, picar o papel em pedaços pequenos. A técnica do papel machê é muito antiga, supostamente originária da China, descoberta logo após a criação do papel, e foi utilizada no século 19 para fazer cadeiras, mesas e escrivaninhas. Antes ainda, no século 17, uma igreja inteira foi construída de papel machê na Noruega, confirmando o tamanho da diversidade dessa técnica milenar.


Outros tipos de estrutura

O papel machê é uma técnica utilizada para cobrir superfícies. Por isso, para fazer alguma peça com esse material é preciso ter uma estrutura básica para sobrepor. Existem muitas formas de fazer a modelagem. A do arame, por exemplo, pode ser coberta de papel alumínio, papel de ceda ou fita-crepe pra depois finalmente ser sobreposta com a massa de papel machê. Mas há outras opções, como recobrir com papel machê uma caixa ou um copo, que já existem. É possível, ainda, usar um prato de plástico como base para fazer outro decorado; basta forrá-lo com os materiais acima citados ou mesmo com filme plástico e depois espalhar sobre ele uma camada bem fina de massa de papel machê, não se esquecendo de lixá-lo para obter um bom acabamento.


Esculturas urbanas

Nascida na França em 1930 e criada em New York (EUA), Catherine (Niki) Marie-Agnès Fal de Saint Phalle é uma das artistas internacionais que se destacaram usando a técnica do papel machê. Em 1965, ela criou as primeiras 'Nanás' (em francês, moças), modelagens que lhe deram fama. Feitas de lã, fibra de algodão, papel machê e tela de arame, as Nanás são grandes bonecas que representam o mundo feminino. Também são de autoria de Saint Phalle as esculturas da Praça Igor Stravinsky, em frente do Centro Cultural Beaubourg, no centro de Paris (França).

Clique para saber mais sobre Niki de Saint Phalle.


Anterior Início