Busca  
  Ciências Naturais   
Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias.  

A necessidade dos estoques

A doação espontânea de sangue é mais segura e bem-aproveitada

Demanda

Os hemocentros brasileiros já estão acostumados: vira e mexe os estoques de sangue ficam abaixo do limite. Nos países desenvolvidos a situação é inversa: o material chega a sobrar. Nos dois casos, especialistas apontam para a necessidade de todos os países investirem em campanhas de conscientização da população para a importância da doação voluntária e constante de sangue. Com os avanços da medicina, a população mundial vem envelhecendo nos últimos anos – tendência que deve se manter nas próximas décadas. O aumento da população de mais idade ampliará a demanda por sangue e os pesquisadores acreditam que, se nada for feito, em mais ou menos 15 anos haverá falta mundial do material.

Problema

O problema da falta de sangue no Brasil chega a ser crônico. Apesar de todas as campanhas e dos esforços dos hemocentros em sensibilizar a população, a luta contra os baixos estoques é constante. O motivo? O brasileiro não tem o hábito de doar sangue. Nas férias, durante o inverno e em feriados prolongados a situação fica ainda mais crítica: diminui o número de pessoas disponíveis para a doação, mas não o de pessoas que precisam das bolsas.

Voluntários

No Brasil são poucos os doadores de sangue voluntários. Os demais – conhecidos como doadores de reposição – são aquelas pessoas que vão até os hospitais porque um parente ou amigo internado precisa de sangue. Nos EUA e na Europa o número de doadores voluntários é superior ao de doadores de reposição. Quanto maior esse número, maior também a segurança do material, pois geralmente o sangue desses doadores – periodicamente examinado – tem menos chances de ser descartado.
 
 
 
Veja os números da doação no Brasil

Taxa de doação de sangue, Brasil, por região (2007).
 

NorteNordesteCentro-OesteSulSudesteBrasil
Doações (%)
1,5
1,63,72,6
2,0
2,1

Fique ligado!

No Brasil é obrigatória a realização de alguns testes para garantir a segurança do sangue. Aids, hepatite B e C, doença de Chagas e sífilis são as doenças detectadas, além de exames de anemia e pressão arterial, que também são realizados. O aparecimento de novos vírus, ainda desconhecidos pela ciência, é uma ameaça constante.


Anterior Início Próxima