Quais as danças típicas da região Sudeste?
Uma das danças típicas do Sudeste é o jongo, de origem africana, uma espécie de batuque que parece ter começado ao longo das fazendas de café e que, em Minas Gerais, tem o nome de caxambu. No jongo só se usam instrumentos de percussão, como o tambu, candongueiro, atabaque de couro e um chocalho chamado de angóia ou angome. Outra dança de origem africana é o samba. A história conta que o primeiro samba gravado foi “Pelo Telefone”, em 1917, mas antes a palavra já era aplicada a um tipo de dança muito comum no interior, com os nomes de samba-de-roda, samba-de-lenço e samba-campineiro. O samba-de-roda também existe na Bahia; já o samba-de-lenço é mais específico do Sudeste e tem esse nome porque as mulheres e homens têm um lenço na mão, acenando com ele para a pessoa com a qual querem dançar. Em São Paulo, com o nome genérico de fandangos, agrupam-se várias danças, como o chimarete, quero-bem, cana-verde, ciranda, tira-chapéu e outras. No Rio, danças semelhantes são conhecidas sob nomes diferentes, como chapéu, caranguejo, cana-verde-de-mão e outras. No norte de Minas há o calango, uma espécie de catira ou cateretê, que serve não apenas para dançar, mas também para que os participantes possam mostrar seus dons de repentista e versejador. Parecido, o calango existe também na região norte do Rio de Janeiro. O cateretê, comum em todo o Sudeste, mas principalmente em São Paulo e Minas Gerais, é dançado só por homens, que, em duas fileiras, sob coordenação de dois violeiros – o mestre e o contramestre, os únicos que cantam –, batem palmas e sapateiam, enquanto evoluem, trocando de lugares entre si.