Como surgiu a vacina?
O médico inglês Edward Jenner, em 1790, observou que as mulheres que ordenhavam vacas ficavam com algumas feridas nas mãos, mas não contraíam a varicela, uma doença comum na época. Levantou, então, a hipótese de que a doença nas mãos protegia as mulheres de contrair a varicela. Resolveu recolher o líquido que saía das feridas e injetá-lo em um garoto. Depois, introduziu na criança o vírus da varicela e ela não ficou doente. Foi assim que o princípio da vacina foi descoberto. O que acontecia é que as vacas tinham uma doença provocada por um vírus bastante semelhante ao da varicela, que penetrava no organismo das mulheres. O sistema imunológico delas produzia as substâncias que combatiam a varicela. Quando o vírus entrava na ordenhadeira, era rapidamente reconhecido pelo sistema imunológico, que o combatia imediatamente. Nosso organismo possui o que chamamos de sistema imunológico, que entra em ação assim que é registrada a presença de microrganismos causadores de doenças, produzindo substâncias que tentam eliminá-los. Assim, ao mesmo tempo que o microrganismo pode causar doenças, ele também é capaz de acionar a fabricação de armas que nos protejam. A vacina é um preparado que contém germes mortos ou enfraquecidos, introduzido no organismo a fim de conferir imunidade a doenças. A vacina estimula o organismo a produzir anticorpos que neutralizam os agentes infecciosos.