Como Nossa Senhora Aparecida se tornou Padroeira do Brasil?
Em outubro de 1717, os moradores do povoado de Guaratinguetá resolveram organizar um banquete em homenagem ao Conde de Assumar. Novo governador das capitanias de São Paulo e Minas Gerais, o Conde seguia para Vila Rica (atual Ouro Preto) e decidira pernoitar nas proximidades. Os pescadores da região partiram para buscar os peixes necessários para o jantar do Conde e sua comitiva. Entre os pescadores, estavam Domingos Garcia, João Alves e Felipe Pedroso, que foram para as margens do rio Paraíba. Depois de horas de trabalho, cansados e desanimados por não terem apanhado peixe algum, começaram a recolher seus apetrechos. Antes de partir, resolveram lançar a rede mais uma vez. Retiraram das águas uma pequena imagem, de terra cozida, escura e sem cabeça. Curiosos, fizeram outro arremesso. Ao puxar a rede para o barco, recolheram uma cabeça que se encaixou com perfeição ao corpo encontrado. Era a imagem de Nossa Senhora Aparecida. Impressionados, os pescadores experimentaram mais um lance. Na puxada, a rede retornou pesada e abarrotada de peixes. A consagração da imagem como Padroeira do Brasil só ocorreu em 1930 por meio de um decreto emitido pelo Papa Pio XI. Mais tarde, já em 1955, a recém-criada Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) estabeleceu 12 de outubro como o dia de Nossa Senhora da Imaculada Conceição Aparecida, como passou a ser denominada oficialmente pela Igreja Católica a padroeira do país. Mas a data só se transformou em feriado nacional em 1980, quando a Lei nº 6.802 de 30 de junho a transformou em um dia de devoção à santa católica.