Busca  
  História regional   
Ciências Humanas e suas Tecnologias.  

O povoamento e a extração mineral

A partir de 1964, os militares que assumiram o poder planejaram o povoamento sistemático da região Norte. O governo estimulou a ida de famílias para a Amazônia e a mineração, oferecendo incentivos para o desenvolvimento de grandes projetos estrangeiros.
 
Sudam e Zona Franca

Em 1966, foi criada a Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), que adotou uma política de isenção de impostos na região e projetou grandes núcleos agropecuários. No ano seguinte, foi instalada a Zona Franca de Manaus, uma área de livre comércio na qual importações e exportações mantêm-se isentas de impostos.
 

Serra Pelada: "formigas humanas" cavam o morro em busca do sonho do ouro. Em cinco anos, cerca de 100 mil garimpeiros concentraram-se na região.

 
O Projeto Calha Norte

Foi criado em 1985 para guarnecer as fronteiras com os países vizinhos no extremo norte do país. Prevê a criação de vários pólos de ocupação, construção de bases militares e de pistas de pouso. Pretende ainda combater o contrabando de ouro e vigiar a atuação de garimpeiros e empresas, uma vez que existem na região imensas riquezas minerais.
 
Os projetos minerais

• Projeto Jari: Graças a benefícios fiscais, o norte-americano Daniel Keith Ludwig instalou o projeto, em 1967, entre o Pará e o Amapá. O objetivo era explorar madeira e bauxita, produzir arroz, criar gado e fabricar celulose. Devido aos altos investimentos, Ludwig abandonou o projeto em 1982. O Jari foi assumido por um conglomerado brasileiro.

• Serra Pelada: Em 1980, foi encontrado ouro a céu aberto no sul do Pará, perto de Marabá. Em cinco anos, 100 mil garimpeiros afluíram à região, chamada "Serra Pelada". As cidades de Curionópolis e Eldorado nasceram do garimpo. Em meados de 1980, a produção entrou em queda acentuada.

• Projeto Carajás: Abrange cerca de 10% do território brasileiro e inclui áreas do Pará, Maranhão e Tocantins. Seu objetivo é explorar ouro, ferro, cobre, níquel, estanho, manganês e bauxita na Serra dos Carajás.


Anterior Início Próxima