Busca  
  História regional   
Ciências Humanas e suas Tecnologias.  

A civilização do couro

As condições naturais da região sertaneja tiveram um papel importante na ocupação do território. Desde o século XVII, o sertão tornou-se um grande pasto natural: embora a água fosse escassa, a terra era vasta e plana. Sua produção de carne e couro era consumida em toda a Colônia, chegando aos centros mais distantes por meio das tropas de abastecimento. A vastidão do território e a utilização de pouca mão de obra para tocar a produção criaram uma cultura regional bastante diferente da litorânea, conhecida como "cultura sertaneja" ou "civilização do couro".

A falta de água, agravada a cada novo período de seca na região, torna ainda mais difícil a vida da população nordestina.
As grandes estiagens


As secas, embora sendo um fenômeno natural, afetam a vida dos habitantes da região e, por isso, também são acontecimentos históricos. Algumas delas tiveram destaque maior devido à sua intensidade, às medidas adotadas em relação ao problema ou ao seu resgate pela literatura. São os casos das estiagens de 1791 a 1793, de 1877 a 1880, de 1915, de 1932 e de 1979.

A indústria da seca

Em função das secas no sertão, formou-se a ideia de que a região era um problema nacional e que, para solucioná-lo, necessitava-se do envolvimento de todo o país. Tal preocupação, porém, tem uma história particular, marcada pelos interesses econômicos da elite nordestina. Com o declínio na produção do Nordeste, no final do século XIX, as elites usaram a seca como desculpa para garantir a continuidade dos investimentos públicos e privados na região.

Arte popular do Nordeste: Lampião e Maria Bonita eternizados em barro.
A reação dos sertanejos


Os sertanejos não estiveram alheios à própria história e partiram em busca de respostas para as difíceis condições em que viviam. Além do trabalho e da migração para conseguirem sobreviver, eles também se expressaram por meio de movimentos messiânicos – como o de Canudos (1897) e o de Juazeiro do Norte (1872 a 1924) –, do cangaço e da organização dos camponeses.


Anterior Início