Busca  
  Personalidades   
Ciências Humanas e suas Tecnologias.  

Reconhecimento internacional

Na sede da Sociedade de Geografia de Nova York, uma placa gravada em ouro maciço, na galeria de personalidades, homenageia o brasileiro Rondon com os seguintes dizeres: "Cândido Rondon – O explorador que mais se avantajou em terras tropicais".

Em todas as expedições de Rondon, quando novas tribos eram contatadas, o lema era "Morrer, se preciso. Matar, nunca". Com o trabalho no SPI, Rondon ganha fama internacional. Realiza várias conferências sobre o problema indígena, discutindo com antropólogos e naturalistas, além de integrar várias sociedades científicas. Em 1914, recebe o prêmio Livingstone, da Sociedade de Geografia de Nova York, e elogios do presidente Theodore Roosevelt, que o acompanhara em uma expedição no ano anterior.


Os últimos anos

A partir da década de 20, sem abandonar a defesa da causa indígena, Rondon participa de novas missões governamentais: inspeciona obras contra a seca e participa dos entendimentos para resolução dos conflitos de fronteira entre Peru e Colômbia. Em 1952, realiza um antigo sonho ao ver aprovado seu projeto de criação do Parque Nacional do Xingu. Promovido a marechal por lei especial do Congresso, em sua homenagem o antigo território de Guaporé recebe o nome de Rondônia. Morre em 19 de janeiro de 1958.


Anterior Início