Busca  
  Sociedade   
Ciências Humanas e suas Tecnologias.  

Artigos de luxo

As construções passaram a seguir os padrões europeus. Espelhos, bibelôs, biombos, papéis de parede, quadros, instrumentos musicais, relógios de parede foram incorporados ao mobiliário.

A Corte trouxe consigo o hábito de consumir produtos luxuosos no dia a dia. Nas mesas das famílias mais abastadas, por exemplo, não podia
faltar um jogo de jantar de porcelana.

Fique ligado

Quem pagava a conta - Para custear as despesas da Corte, e muitas outras dos milhares de empregos públicos criados para dar ocupação a tanta gente, em 12 de outubro D. João criou o Banco do Brasil, que se habituou à emissão de papel-moeda sem lastro, gerando inflação.

Como a Abertura dos Portos (1808) e os Tratados de Comércio e Navegação e de Aliança e Amizade (1810) estabeleciam tarifas preferenciais aos produtos ingleses, o comércio cresceu. O movimento do porto passou de 500 para 1.200 embarcações anuais. A oferta de mercadorias e serviços diversificou-se.

A Rua do Ouvidor, no centro do Rio, recebeu o cabeleireiro da Corte, costureiras francesas, lojas elegantes, joalherias e tabacarias. As novidades mais requintadas eram os chapéus, luvas, leques, flores artificiais, perfumes e sabonetes.




Anterior Início Próxima