Busca  
  Antiguidade   
Ciências Humanas e suas Tecnologias.  

Atletas de outros tempos

Se hoje os jogos Olímpicos reúnem atletas de vários países, na antiguidade as regras para a participação eram muito restritas.

Quem eram os atletas

Para participar dos jogos Olímpicos, era necessário cumprir três requisitos básicos: ser do sexo masculino, ter nascido em território grego e ser livre. Mulheres, escravos e estrangeiros eram totalmente excluídos. No início, não havia atletas profissionais e embora a maioria fosse de origem rica, também participavam atletas vindos das classes mais modestas da população. Com o passar do tempo, essa situação mudou e os atletas foram sendo selecionados com cada vez mais critério. Cada cidade escolhia seus melhores homens, que treinavam seriamente por vários meses. Assim que a trégua sagrada fosse proclamada e a data dos jogos anunciada, os atletas e seus treinadores partiam para Olímpia.

Campeões da antiguidade

Da mesma maneira que os atletas de hoje entram para a história com seus recordes e feitos, alguns atletas dos jogos Olímpicos antigos também ficaram conhecidos.

Milon de Crotona (lutador): foi campeão não só em Olímpia, mas também nos outros jogos pan-helênicos. Ficou conhecido pela sua força extraordinária e também pelo apetite voraz. Contam as lendas que Milo comia, diariamente, nove quilos de carne e a mesma quantidade de pão, além de beber pelo menos dez litros de vinho. Era capaz de carregar um touro de quatro anos pelo estádio, matava-o com uma única mão e ainda comia o animal inteiro em um único dia. Morreu de forma trágica. Ao tentar partir um tronco em dois, ficou com as mãos presas nas fendas da árvore e foi devorado à noite por animais da floresta.

Leônidas de Rodes (corredor): foi considerado um deus, por causa de suas vitórias no estado, nos duelos e nas lutas. Ganhou todas as competições que participou, em quatro olimpíadas consecutivas.

Melankomas de Karia (boxeador): ganhou muitas lutas, mas jamais se feriu ou machucou seus oponentes. Acreditava que ferir alguém em combate era sinal de falta de bravura. Muitas vezes seus oponentes desistiam de continuar a luta, porque não conseguiam acertá-lo.

Anterior Início Próxima