Busca  
  Antiguidade   
Ciências Humanas e suas Tecnologias.  

O berço da civilização

Tigre e o Eufrates

A Mesopotâmia constituía-se numa planície entre o Tigre e o Eufrates, dois rios quase paralelos que nascem nas montanhas da Armênia e desembocam no Golfo Pérsico. Ambos são muito caudalosos, com cheias frequentes, o que favorece a agricultura e, assim, as cidades. Os mesopotâmicos construíram canais para irrigar os campos e abastecer as cidades. No entanto, nunca conseguiram dominar a força dos rios, nem evitar as inundações.

Para lembrar:

Próximos aos rios, nascem povoados considerados autênticas cidades. São lugares com centenas de habitantes e uma grande atividade. As casas ficam apinhadas, distribuídas de maneira desordenada, sem ruas e sem planejamento urbano.


O nascimento das cidades (quarto milênio a.C.)

No sul da Mesopotâmia, o desenvolvimento das antigas comunidades agrícolas culminou com a criação das primeiras culturas urbanas. A fertilidade da terra, o desenvolvimento tecnológico e o controle da água favoreceram o nascimento das cidades. Os progressos na agricultura possibilitaram maior produção de alimentos (excedentes), o que permitiu liberar muitas pessoas do trabalho agrícola. Elas passaram, então, a se dedicar a outras atividades, como o artesanato (fabricação de calçados, roupas, perfumes) e o comércio. Assim surgiu pela primeira vez a especialização do trabalho.

Primeiros núcleos urbanos

Nínive, Ur, Mari e Babilônia eram cidades com grande concentração humana, mantidas pela agricultura, pelo artesanato e pelo comércio. Como era necessário ter uma organização para regular as complexas relações econômicas da cidade, surgiram os templos, que existiam em todas as cidades, como centros econômicos, políticos, religiosos e sociais. Era tão grande sua importância que as cidades mesopotâmicas foram chamadas de cidades-templo. Os templos eram verdadeiros centros de poder. Controlados pelos sacerdotes, deles dependia toda a sociedade. Mantinham um exército de funcionários e escribas, que viviam dos excedentes – a base para o surgimento do Estado.



Para lembrar:
As casas eram edifícios retangulares de um só pavimento, com entrada pelo telhado ou por uma porta baixa. Suas paredes eram compartilhadas pelos vizinhos e, em geral, não tinham janelas. Os telhados iam subindo como degraus de fora para dentro da cidade.


Anterior Início Próxima