Busca  
  Era Contemporânea   
Ciências Humanas e suas Tecnologias.  

A Guerra Fria

Corrida armamentista
A corrida armamentista colocou a humanidade inteira em perigo.

A partir da explosão da primeira bomba atômica e o início da Guerra Fria, todos os países começaram a competir pelo controle de armamentos modernos. Em 1949, a União Soviética conseguiu detonar sua primeira bomba nuclear. Mais tarde, outros países fizeram o mesmo, como a França, a Grã-Bretanha e a Índia. Para alguns governos, possuir essa tecnologia era a melhor garantia de paz, estratégia que colocava em perigo a humanidade inteira.

A formação dos dois blocos

A União Soviética e os Estados Unidos conseguiram controlar suas áreas de influência com mão de ferro. Os tratados militares, comerciais e políticos colocaram as nações menos poderosas numa situação de dependência. Visando estudar uma reação conjunta à dominação bipolar, os países do Terceiro Mundo – em geral antigos territórios coloniais que acabavam de alcançar a independência – organizaram a Conferência de Bandung (1955). Esse projeto, porém, não alcançou sucesso: apenas a China e a Iugoslávia conseguiram desvincular-se do bloco soviético.

A reconstrução europeia
 
Os países da Europa ocidental viram-se obrigados a coordenar suas políticas econômicas para poder competir com os Estados Unidos, Japão e União Soviética. Assim, em 1951, criaram a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, união tarifária que seria a base da futura Comunidade Econômica Europeia (CEE).

Em 1957 surgiu a Comunidade Econômica Europeia (CEE), formada, em princípio, por seis países da Europa Ocidental: França, República Federativa Alemã, Itália, Holanda, Bélgica e Luxemburgo. Seu objetivo de integrar todos os países democráticos da região em um único mercado, foi se cumprindo gradualmente, num processo que continua até nossos dias.


Anterior Início