Busca  
  Era Contemporânea   
Ciências Humanas e suas Tecnologias.  

A campanha da Rússia

A partir de 1812, o czar da Rússia começou a resistir às pressões napoleônicas.  Napoleão acreditava que o exército francês poderia ocupar a Rússia sem grandes problemas e ordenou a invasão. Os russos, porém, praticaram a política da "terra arrasada": o exército retirou-se ordenadamente, mas antes destruiu todas  as colheitas. Assim, as tropas francesas tiveram dificuldade para avançar por falta de provisões.

Para lembrar:

O Grande Exército que se lançou à conquista da Rússia era composto por 600 mil soldados. Graças às suas alianças com vários monarcas europeus, Napoleão conseguiu recrutar metade de seus homens entre a população de diversos países: Áustria, Suécia, Polônia e Alemanha.

A vitória do frio

Enquanto as tropas francesas recuavam, o exército russo organizou a contraofensiva. A retirada foi catastrófica: boa parte dos soldados franceses morreu de frio ou nos combates. Após essa vitória, a Rússia aliou-se à Prússia para derrotar Napoleão.

O incêndio de Moscou

Em 14 de setembro de 1812, as tropas napoleônicas ocuparam a capital russa, depois de vencer a batalha de Moscou. Encontraram, no entanto, a cidade em chamas: as tropas czaristas já haviam incendiado a capital. Um mês depois, o Grande Exército francês, mal-equipado, não conseguiu superar o inverno e se retirou da cidade.


Anterior Início