Busca  
  Idade Média   
Ciências Humanas e suas Tecnologias.  

A epidemia

As origens da epidemia

A peste negra consistiu numa série de epidemias que se originaram na China em 1333 e se espalharam rapidamente pela Europa durante o século XIV. O primeiro surto foi de peste bubônica, uma doença transmitida pelas pulgas dos ratos, cujos primeiros sintomas são caroços negros no pescoço e nas axilas. A peste negra é uma doença infecciosa que, em geral, leva à morte e se apresenta em três formas: bubônica, pulmonar e intestinal. Quando os mongóis chegaram à Criméia, contaminaram parte da população de uma colônia genovesa; os navios genoveses introduziram então, a peste na Europa.

Os efeitos demográficos

As consequências da peste foram devastadoras. Cerca de um terço da população europeia perdeu a vida. A precariedade das condições higiênicas das cidades facilitou o desenvolvimento da peste bubônica, assim como de outras epidemias. A morte de milhares de camponeses resultou em falta de trabalhadores no campo, aumento do preço dos cereais e, em consequência, uma devastadora fome. Outro resultado da peste foi o êxodo da população dos campos para as cidades, o que acelerou a decadência do regime feudal.

Para lembrar:

Além da peste, outros fatores provocaram grande mortalidade no século XIV: a fome, as guerras e as revoltas. A fome, marcante na época feudal, aumentou devido a problemas climáticos. Inúmeras guerras abalaram a Europa, envolvendo senhores em lutas por terras e reis pelo poder. O principal conflito foi a Guerra dos Cem Anos (1337-1453) entre França e Inglaterra. A crise generalizada ocasionou revoltas de camponeses contra a miséria e a exploração dos senhores e de trabalhadores urbanos contra a burguesia.


O medo da peste

As sucessivas ondas da epidemia geraram um clima de desânimo e mal-estar social que se espalhou por toda a Europa. A peste era vista como um castigo divino. O medo do diabo, a crença em bruxas e em todo o tipo de superstições dominavam os sentimentos. Nesse momento começaram a surgir as macabras danças da morte — representações em que um "esqueleto" tirava suas vítimas para dançar, sem fazer distinção de sexo, idade ou posição social.


Anterior Início Próxima