Busca  
  Corpo humano   
Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias.  

O crescimento do corpo na adolescência

Gregor, personagem do livro Metamorfose, de Franz Kafka, acordou transformado em uma barata. Você já imaginou acordar de manhã com outro corpo? O pesadelo da adolescência não é tão assustador quanto o de Gregor, mas nem sempre é fácil lidar com as mudanças que vão acontecendo a partir dos 10 anos. Os braços parecem compridos demais, as pernas finas e os pés grandes. Tudo isso faz parte do desenvolvimento, da passagem da infância para a vida adulta, período em que começa o amadurecimento das características sexuais do corpo: os seios das meninas, o pênis dos garotos, os pelos no púbis.

E não é só isso. O corpo todo cresce. Na infância, crescemos de 4 a 6 centímetros por ano. Na puberdade, chegamos a crescer de 10 a 12 centímetros por ano. No total, as meninas ganham uns 25 centímetros e os meninos, 28 centímetros na altura total. Todas essas mudanças são provocadas pela ação dos hormônios – substâncias produzidas por glândulas localizadas em diferentes pontos do corpo.

 
Não tem data para começar
Primeiro um colega cresce demais. Depois, a amiga ganha o primeiro sutiã. Meses depois as transformações começam, mas não há uma idade certa para o início da adolescência. Cada pessoa tem seu próprio ritmo, mas a média costuma ser entre os 10 e os 13 anos.

Os sinais da mudança

Alguns hormônios – como o do crescimento – têm atividade semelhante no corpo de meninos e meninas. Há também hormônios que estimulam o desenvolvimento do esqueleto e a mineralização dos ossos, tornando-os mais fortes e criando um banco de massa óssea importante para a vida toda. Se os ossos crescem, a massa muscular acompanha. Para sustentar tudo isso, o adolescente come mais. Depois da menarca, a primeira menstruação, esse aumento de peso diminui nas meninas. Nos meninos, a massa muscular aumenta até o final da puberdade. As meninas, em geral, engordam mais do que os meninos. Ambos têm mais fome e é normal aumentarem de peso. Mas é bom ficar ligado para perceber se o corpo não está dando os primeiros sinais de obesidade.
 


Anterior Início Próxima