Busca  
  Geografia   
Ciências Humanas e suas Tecnologias  

Poluição ambiental
Para quem mora na cidade, falar de poluição não é nenhuma novidade: a fumaça dos veículos e das fábricas; os rios malcheirosos e cheios de detritos; o lixo jogado nas ruas e nas praças; o barulho que vem de todos os lugares. No entanto, para os habitantes do campo, a poluição não é tão evidente. Mas mesmo nos lugares mais tranqüilos ela está presente, por exemplo, na forma de pesticidas – os agrotóxicos
– lançados sobre as plantações: essas substâncias podem contaminar os alimentos e também os rios.
O mais triste é que os seres humanos são os únicos animais que poluem nosso planeta e agora também o espaço sideral: já existem satélites quebrados e pedaços de metal abandonados em órbita e até escovas de dentes que alguns astronautas jogaram das espaçonaves!

 Poluição da água
 Poluição do ar
 Poluição sonora
 Poluição visual

 

 
 
Poluição da água
 
O papel do chiclete jogado ali, a garrafa de plástico aqui, a lata de refrigerante acolá. No primeiro temporal, as chuvas levam esse lixo para bueiros e depois para algum rio que atravessa a cidade. Quem já não viu um monte dessas coisas flutuando na água?
Mas essa é a poluição que enxergamos.
A que não vemos é causada pelo esgoto das residências, que lança nos rios restos de comida e um tipo de bactéria que deles se alimenta: são as chamadas bactérias aeróbias – elas consomem oxigênio e acabam com a vida aquática e também podem causar problemas de saúde se
forem ingeridas.
Outro problema são as indústrias localizadas nas margens dos rios e lagos. Só recentemente foram criadas leis para obrigá-las a tratar o esgoto industrial, a fim de diminuir a quantidade de poluentes químicos que elas despejam nas águas e que são responsáveis pela "morte" de muitos rios e lagos em todo o mundo.
Fique ligado
Os vazamentos de petróleo são uma das piores causas de poluição do mar, pois essa substância espalha-se pela superfície da água e leva anos para ser absorvida, gerando sérios desequilíbrios no ambiente.
Foi o que aconteceu com o navio Exxon Valdez que, em 1989, derramou 34 mil toneladas de petróleo no mar do Alasca, e com um duto da Refinaria Duque de Caxias (Petrobras) que, em janeiro de 2000, deixou escapar 1,29 tonelada de petróleo na baía de Guanabara, Rio de Janeiro. No Alasca, até hoje o ecossistema atingido não se recuperou. No Rio de Janeiro, os ambientalistas afirmam que serão necessários pelo menos cinco anos para a natureza se recompor.
Espumas concentradas na Usina de Traição
no rio Pinheiros, São Paulo.
 
 
 
Poluição do ar
 
Os maiores responsáveis pela poluição do ar são os gases lançados na atmosfera por queimadas, indústrias e veículos. Nas capitais do mundo, há dias em que a condição do ar fica tão ruim que todos os veículos são proibidos de trafegar durante certo período.
Hoje, muitas cidades adotam o rodízio de automóveis, fazendo com que uma parte dos carros fique em casa. É uma tentativa de diminuir os efeitos prejudiciais da poluição atmosférica, principalmente no inverno. Nessa estação do ano, o calor da terra não é suficiente para aquecer o ar e fazer com que ele suba para camadas mais altas juntamente com a poluição.
Além do clima, outro fator que influencia a poluição é o regime de chuvas.
Como o inverno é seco no Sul e no Sudeste brasileiros, os poluentes ficam parados no ar por mais tempo.
Respeitar o rodízio, manter o automóvel regulado e até verificar se as leis antipoluição estão sendo seguidas pelas fábricas da vizinhança são medidas que não custam nada e que podem ajudar a melhorar a condição do ar que todos nós respiramos.
 
 
 
Poluição sonora
 
Esse tipo de poluição não tem tanto destaque quanto os demais, mas pode causar danos igualmente sérios ao nosso organismo, principalmente porque não costumamos nos preocupar muito com ela.
Além de poluírem o ar, os veículos também são responsáveis pela produção de ruídos, às vezes excessivos, principalmente aqueles que têm o "escapamento aberto".
Outras fontes de poluição sonora são as indústrias, as construções, certo tipo de maquinário, como as britadeiras, ou as casas noturnas com volume de som muito alto.
Os ruídos são medidos por aparelhos que dão o resultado em decibéis. Uma floresta produz ruídos com intensidade de 18 decibéis. Um jato levantando vôo, por sua vez, atinge 125 decibéis – isso com o medidor da intensidade sonora a 100 metros do avião. Pessoas que trabalham muito tempo expostas a um ruído muito intenso, como prensas hidráulicas, britadeiras, máquinas, se não usarem proteção para os ouvidos, podem perder a audição aos poucos.
A poluição sonora também provoca úlceras, insônia e perda de reflexos.
Ouvir música bem alto com fones de ouvido (walkman e discman) também pode comprometer a audição. Esses equipamentos sempre trazem um aviso com o volume indicado, mas nem todo mundo segue as orientações e muitas pessoas acabam ficando com problemas de audição.

 

 
 
 
Poluição visual
 
Paredes pichadas, ruas cheias de placas de propaganda, cartazes uns por cima dos outros, faixas nos postes. Tudo isso é responsável pela poluição visual. Essa forma de poluição não causa problemas de saúde, mas enfeia o ambiente, deixando-o sujo e bem menos repousante.
Ninguém tem dúvidas de que é muito melhor abrir a janela e ver um belo parque ajardinado do que ver viadutos e prédios cinzentos cobertos de publicidade. Um tipo particular de poluição visual é a luminosa. À primeira vista, ninguém a nota, mas ela existe. A iluminação mal planejada dos grandes centros urbanos, por exemplo, além de não iluminar corretamente as vias públicas, gera um enorme desperdício de energia.
 
 
 
 
 
Glossário
Agrotóxicos: substâncias químicas que comprometem a saúde humana e dos demais animais, empregadas para combater as pragas que assolam as plantações.
Regime de chuvas:quantidade de chuva que cai sobre uma região durante determinado intervalo de tempo.