Busca  
  Geografia   
Ciências Humanas e suas Tecnologias  

Cuidamos o suficiente de nosso meio natural?
Desde que aprendeu a cultivar as plantas, domesticar os animais e que tornou-se sedentária, a espécie humana foi modificando profundamente os ecossistemas onde desenvolveu sua atividade. Derrubou e queimou matas (e continua a fazê-lo) para facilitar a agricultura e a criação de gado ou para obter madeira. Eliminou também os seres vivos que considerou nocivos a seus interesses e caçou até à extinção muitos dos que lhe eram proveitosos.
A partir da revolução industrial (século XVIII), o homem começou a despejar no meio ambiente uma grande quantidade de produtos tóxicos procedentes das fábricas e dos automóveis. Os resíduos sólidos acumulam-se ao nosso redor e os recursos naturais se esgotam. Talvez um melhor conhecimento do funcionamento dos ecossistemas ponha fim ao triste papel que até agora nossa espécie vem desempenhando neste grande cenário que é a Terra.


A proliferação do transporte particular, principalmente do automóvel, é uma das maiores causas da poluição nas grandes cidades
1. O homem e os ecossistemas
As alterações produzidas pelos seres humanos provocaram grandes danos aos ecossistemas naturais, alterando o funcionamento das comunidades ou o meio físico onde se encontram. Os pesticidas usados na agricultura, para eliminar insetos, prejudiciais ou não, também provocaram o desaparecimento das plantas que eram polinizadas por tais insetos. As estradas às vezes separam as populações de seres vivos, o que gera graves dificuldades para a sua reprodução. Além disso, a poluição causada por gases expelidos pelos automóveis é prejudicial a diversas espécies animais, inclusive os seres humanos.


2. Desperdício dos recursos

Os recursos naturais são materiais que podem ser extraídos do meio e que podem ser úteis para as pessoas. Os principais recursos são os minerais, as rochas, os alimentos, a água e os recursos energéticos. São chamados renováveis, caso o ritmo de sua produção seja semelhante ao de seu consumo, e não-renováveis, se o ritmo de produção for muito menor.

Um exemplo de desperdício energético é o nosso consumo, em apenas um ano, de todo o carvão e o petróleo que levaram um milhão de anos para serem formados.

O uso de embalagens descartáveis também é um grande exemplo de desperdício. Os materiais utilizados para a sua produção são extraídos da natureza sem que exista o cuidado em planejar o ritmo dessa extração. No entanto, plásticos, metais, vidro e papel são materiais recicláveis, que podem e devem ser reutizados, poupando preciosos recursos para o futuro.

O aumento da população,
a sua concentração em
grandes núcleos urbanos,
bem como o grande
desenvolvimento da
indústria provocaram
a contaminação
do meio natural
3. A contaminação
Fala-se que um meio (água, ar, solo) está contaminado ou poluído quando suas características estão alteradas e os fatores que podem ser mensurados apresentam valores superiores ou inferiores aos habituais. Por esta razão, considera-se que um lago está contaminado quando nele tenha sido derramado um tóxico, mas também se o oxigênio escassear em suas águas, ou se a sua temperatura estiver anormalmente alta, por causas não-naturais.

Na tentativa de limpar as
penas com o bico, o
pingüim faz com
que o petróleo que o
cobre penetre em seu
aparelho digestivo, e ao
ingerir essa substância
tóxica, tem poucas
possibilidades de sobreviver
4. Os agentes contaminadores
São considerados contaminadores todos os fatores do meio que representem algum perigo para os seres vivos. Os contaminadores podem ser de origem natural (gases expelidos por um vulcão), mas a maioria deles é produzida pela atividade humana, motivo pelo qual são chamados antropogênicos. Pode-se distinguir vários tipos de contaminadores: físicos, como o calor, o ruído ou as radiações; químicos, como os pesticidas, o petróleo e os metais pesados; e biológicos, como os micróbios causadores de doenças (patogênicos).

5. Decomposição e contaminação
Alguns produtos da atividade humana podem ser decompostos por serem biodegradáveis, como restos de alimentos ou papel. Mas se a quantidade de matéria despejada ou abandonada for superior à que os decompositores podem transformar, ela irá acumular-se e produzirá contaminação. A matéria nos ecossistemas passa dos organismos produtores (plantas verdes) para os consumidores (animais e fungos). Os restos de todos eles são transformados pelos organismos decompositores em moléculas simples, que são novamente utilizadas pelas plantas, na fotossíntese, para elaborar a matéria orgânica.
Determinados materiais fabricados pelo homem não podem ser alterados pela ação dos organismos decompositores, razão pela qual diz-se que eles não são biodegradáveis. Esses materiais se acumulam no meio ambiente e oferecem um grave perigo para a sobrevivência dos seres vivos.