Busca  
  Geografia   
Ciências Humanas e suas Tecnologias  

Como tudo começou
A idéia de um telescópio que ficasse observando o universo da órbita da Terra surgiu no início da década de 1940. Mas até que o sonho se tornasse realidade, seriam necessários quase meio século de pesquisas.
Galileu Galilei
Revolução pós-Galileu 
Nos séculos XVI e XVII, os cientistas se maravilharam com as observações do Universo que começaram a ser feitas com a primeira luneta desenvolvida por Galileu Galilei. No século final do século XX, os cientistas modernos tiveram a mesma sensação com o início das atividades do telescópio espacial Hubble: pela primeira vez os pontos mais longínquos podiam ser observados sem a interferência da atmosfera. Resultado de um sonho que começou a ser desenvolvido ainda na década de 1940, projetado nos anos de 1970, construído na década seguinte e lançado em 24 de abri de 1990.

A importância do Hubble

Colocado no espaço, na órbita da Terra, o telescópio espacial Hubble – que recebeu esse nome em homenagem ao astrônomo norte-americano Edwin Powell Hubble, que provou que o Universo está em constante expansão – pode captar a luz visível, a infravermelha e a ultravioleta dos astros, sem sofrer as interferências causadas pelos gases da nossa atmosfera.

Toda informação que obtemos de um astro está na radiação que vem deles, mas a atmosfera sempre absorve e desvia parte dessa informação. É por isso que os observatórios astronômicos terrestres sempre são construídos em montanhas. Mesmo assim um telescópio “de solo” consegue somente, por pouco tempo de exposição, uma resolução de imagem superior a 1,0 segundo de arco – isso em condições atmosféricas extremamente adequadas à observação. Só para se ter uma idéia, com essa resolução somos capazes de ver uma bola de futebol a 50 km de distância. A resolução do Hubble é cerca de 10 vezes melhor, ou seja, poderíamos ver uma bola de futebol a 500 km.


Anterior Início Próxima