Busca  
  Geografia   
Ciências Humanas e suas Tecnologias  

A história da Terra
No decorrer do tempo, os continentes foram mudando de posição, aproximando-se e voltando a separar-se lentamente. Durante a Era Paleozóica havia apenas três grandes massas continentais, que se uniram ao final dessa era dando origem ao supercontinente Pangéia.
Durante a Era Mesozóica, o supercontinente Pangéia se fragmentou em diversos blocos, que começaram a separar-se a partir do Período Triássico, até chegar à atual distribuição de continentes e oceanos.
Durante o Período Quaternário, o clima mudou em quatro ocasiões, tornando-se muito mais frio. O gelo polar recobriu boa parte da Europa, da América do Norte e do norte da Ásia. Essas mudanças climáticas são conhecidas como glaciações. A fauna e a flora tiveram de adaptar-se a essas grandes transformações.

Pré-Cambriana, a grande desconhecida
A Era Pré-Cambriana compreende o tempo transcorrido entre a formação da Terra e o início da Era Paleozóica, há 570 milhões de anos. Em algum momento deste longo período de tempo ocorreu o mais importante fenômeno da história terrestre: o surgimento da vida. Os primeiros fósseis conhecidos têm dois bilhões de anos, e acredita-se que sejam restos de antigas bactérias.


Uma explosão de vida
A Era Paleozóica ou Primária veio após a Pré-Cambriana e durou 325 milhões de anos. Durante esse tempo surgiram na Terra inúmeros animais invertebrados, como insetos e escorpiões. Alguns deles, como os trilobitas, extinguiram-se ao término da Era Paleozóica. Surgiram, nesta ordem, os peixes, os anfíbios e os répteis, e também as primeiras plantas terrestres, os fetos. Por volta do final da Era Paleozóica, todos os continentes estavam unidos em um só, o Pangéia.
 
Os trilobitas foram artrópodes muito abundantes e particularmente importantes nos períodos Cambriano e Ordoviciano

Os répteis espalham-se pela Terra
A Era Mesozóica ou Secundária durou 160 milhões de anos. Ao longo dela surgiram numerosos grupos de répteis, alguns dos quais eram terrestres (dinossauros), outros voadores (pterossauros) e outros viviam na água (ictiossauros). Os invertebrados mais abundantes eram os amonites, moluscos semelhantes aos atuais calamares, mas dotados de concha. As plantas com sementes desenvolveram-se, formando grandes bosques de coníferas e ao final da era apareceram as plantas com flores (angiospermas). Pangéia fragmentou-se em diversos blocos continentais que progressivamente foram se afastando uns dos outros, o que permitiu que as águas oceânicas penetrassem entre eles.
Os diferentes grupos de dinossauros apresentavam grandes diferenças de peso e estatura, de tipo de locomoção (bípedes ou quadrúpedes) e de alimentação (herbívoros e carnívoros)

A era dos mamíferos e das aves
A Era Cenozóica dura já 65 milhões de anos e se divide em dois períodos: o Terciário e o Quaternário. Ao longo dessa era foram surgindo todos os grupos de seres vivos que existem atualmente. Durante o Período Terciário, após desaparecer a maior parte dos répteis, os mamíferos disseminaram-se por toda a Terra. Surgiram também numerosas aves voadoras e corredoras. A espécie humana, surgida nos finais do Terciário, evoluiu durante o período Quaternário até chegar às formas modernas. Os continentes e os oceanos já ocupavam as posições atuais.
 
O mamute, mamífero do período quaternário, de grandes dimensões (cerca de três metros de altura), era caçado pelos homens primitivos, que aproveitavam sua carne, pele e ossos

Anterior Início