Busca  
  Geografia   
Ciências Humanas e suas Tecnologias  


O templo vai, o muro fica
Quem vê o Kotel – nome pelo qual o Muro das Lamentações é conhecido pelos israelenses – pode se perguntar por que ele foi escolhido como centro de devoção religiosa. A história não é tão simples. O Muro, na verdade, é o que restou de dois gigantescos templos construídos em diferentes épocas e destruídos com as invasões de outros povos.
O Primeiro Templo (ou Templo de Jeová) foi erguido no século X a.C., por ordem do rei Salomão, e destruído em 586 a.C. pelos babilônios. O Segundo Templo foi construído 70 anos depois. Em 20 a.C., Herodes ordenou sua reforma, que incluiu a construção de uma robusta muralha protetora ao redor do templo. Em
63 a.C., o Império Romano tomou a cidade de Jerusalém e, a partir de 66, diversos levantes judaicos começaram a acontecer. Em represália, os romanos derrubaram o templo no ano 70, mas preservaram
um pedaço do muro como lembrança da força de
seu exército.
Depois disso, o povo judeu não voltou a erigir o templo, mas adicionou outras camadas de pedra à parte remanescente do muro, aumentando sua altura. A partir de 132, o acesso dos judeus à cidade foi proibido e Jerusalém foi transformada em colônia romana.

 

Anterior Início Próxima